Resenha: Persuasão - Jane Austen

23/01/2017

Persuasão
Coleção Folha Mulheres Na Literatura # 6
Jane Austen
Ano: 2017 / Páginas: 256
Idioma: português 
Editora: Folha de S.Paulo

Muitos conhecem a obra de Jane Austen (1775-1817) pelas dezenas de adaptações de seus romances para telas de cinema e TV, livros como "Orgulho e Preconceito", "Razão e Sensibilidade" ou "Emma". As duas filmagens de "Persuasão" revelam apenas parte das qualidades deste romance, o último da escritora inglesa, também o mais reflexivo e lírico, marcado pelos pensamentos de uma heroína mais madura, parecida com a própria Austen.Aos 27 anos, Anne está à beira de ser dada como solteira irreversível. Influenciada por amigos e por seu pai, um baronete fútil quase falido, rejeitara quando mais jovem o casamento com um oficial da Marinha, homem que amava, mas então sem fortuna e tido como socialmente indigno.Em "Persuasão", a escritora outra vez narra reviravoltas de histórias amorosas, desencontros provocados por esnobismos e conflitos entre pequenos fidalgos, nobres e alta classe média. Austen volta à sátira social leve, mas profunda, e às críticas à estupidez de aristocratas, reforçada em "Persuasão" por um elogio a quem sobe na vida por mérito, raro na época.
Vinicius Torres Freire - Colunista da Folha
Oi,

Foi a minha primeira experiência com a Jane Austen e serviu mais como um “esquenta” para ler Orgulho e Preconceito.
Demorei um pouco para me adaptar ao ritmo lento da narrativa, mas depois que acostumei com o jeito da autora escrever a leitura fluiu muito bem.

Anne é uma solteirona sem grandes atrativos, e é preterida pelo seu pai narcisista que só vê valor nas coisas belas e perfeitas. Suas duas irmãs praticamente a consideram uma parte da mobília e acham que a Anne só serve para fazer favores e mais nada. 

Anos atrás ela teve um quase noivado com o sr. Wentworth, mas foi persuadida pela família a terminar o relacionamento, pois a família não o julgava adequado e a sua altura, por ele não ter cargo ou um título de nobreza, o que envergonhava profundamente o pai de Anne. 

Bom, o sr. Wentworth foi embora, arrumou um emprego na marinha se tornou capitão e tem uma boa renda, o que claro, o torna perfeitamente adequado para qualquer moça de boa família e deixa Anne muito constrangida com a situação em que se encontra. Ela tem de se encontrar socialmente com o capitão Wentworth e fazer de conta que não aconteceu nada entre eles e que não existe nenhum tipo de ressentimento entre os dois, e ele fica muito feliz em ignorá-la totalmente e em lhe dirigir somente as cortesias de praxe.

Jane Austen durante toda a história, uma crítica social aos costumes da época de que só tinha valor quem nascia do lado certo da sociedade, desprezando os que ascendiam socialmente e conquistavam um posto elevado e tinha uma boa renda por mérito próprio. Essas pessoas podiam ser toleradas, como no caso do capitão Wentworth, mas nunca eram totalmente aceitas. Enquanto pessoas como o seu pai, embora empobrecidas, nunca iriam deixar de ter o seu lugar na sociedade.

Você praticamente não vê o romance dos protagonistas, o próprio capitão Wentworth aparece muito pouco, mas no final você tem uma das cartas de amor mais lindas e comoventes que eu já encontrei e faz tudo valer a pena. Capitão Wentworth é muito amor!

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Atenção

Oi gente, o blog ganhou um layout novo e como eu migrei do wordpress para o blogger, os posts antigos estão muito bagunçados. Toda mudança gera uma bagunça e não seria diferente por aqui.
Irei arrumando os posts sempre que eu tiver um tempinho, conto com sua compreensão.

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados