Resenha: O Conde de Monte Cristo - Alexandre Dumas

25/04/2016

O Conde de Monte Cristo
Alexandre Dumas
Ano: 2012 / Páginas: 1664
Idioma: português 
Editora: JORGE ZAHAR LV

No romance, o marinheiro Edmond Dantés é preso injustamente, vítima de um complô. Anos depois, consegue escapar da prisão, enriquece e planeja uma vingança mirabolante. A galeria de personagens criada por Dumas faz um retrato fiel da França do século XIX, um mundo em transformação, em que passou a ser possível a mudança de posições sociais. As aventuras de Dantés ainda ganharam diversas versões cinematográficas que colaboraram para o sucesso da trama.
Sempre tive vontade de ler O Conde de Monte Cristo. Me lembro de ver o filme quando criança, lá nos anos 80 e revi o filme mais recentemente na tv. Em ambas as vezes fiquei impressionada e morrendo de vontade de conhecer os detalhes, mas infelizmente só achava livrinhos adaptados para o colégio. E vamos combinar que um livro de mais mil páginas não tem como caber dentro de 120 e ainda manter o conteúdo. Então, esperei.

Agora, finalmente eu criei coragem e procurei uma versão daquelas bem porretas para ler. Comecei por uma da Martin Claret dividida em dois volumes, comprei só o primeiro e comecei a ler. A história foi ótima, mas a leitura cansou, por ser excessivamente descritiva e a linguagem usada tinha cara de português de Portugal, o que cansou ainda mais. Terminando o volume 1, eu comprei a versão de bolso em capa dura da Zahar, e aí sim, eu ví vantagem. Toda aquela estranheza que eu senti com a linguagem acabou. Não senti diferença na historia mas sim no ritmo, deu para perceber que foi feita uma revisão muito boa que deixou o texto mais leve, apesar de ainda se manter integro e sem modernismos.

A história acho que já é conhecida; Edmont Dantès é acusado de traição por amigos e mantido prisioneiro por 14 anos na Fortaleza de If, onde conhece o abade Farias, que o ajuda a manter a lucidez e o educa durante aqueles anos. Ao conseguir sair da prisão, graças a um plano quase desastroso, Edmont toma posse do tesouro do abade e começa o seu plano de vingança. Ele espera e planeja por anos e finalmente quando o coloca em prática é implacável! 

Nada acontece por acaso. Ele vai punir os culpados e premiar os inocentes, e tudo o que for feito durante o livro irá se encaminhar nessa direção. Todas as pessoas afetadas por seu plano tiveram participação na sua prisão ou são cúmplices de seus autores. Mas é claro que nenhum plano é infalível, e o Conde vai descobrir isso de um modo muito doloroso.

Se você estiver esperando que o livro seja um repeteco do filme, já adianto que muitas coisas do filme foram inventadas. O livro praticamente não tem romance, o Alexandre Dumas só colocou umas pitadinhas aqui e ali, e muito pouco a ver com o herói principal. Então, esqueça o filme se quiser aproveitar inteiramente o livro. Mas não deixe de ver o filme, que também é ótimo!

Depois de comentar, preencha: Formulário

Comente com o Facebook:

7 comentários :

  1. Nossa, esse livro. Fiquei de ler ano passado (ou retrasado?) e estendi de novo, acabei não pegando. É uma história que conheci pelo filme (que filme!) e fiquei interessada em ler pra saber melhor como é. Mas achei versão da Martin ou coisa cortada, muito sem graça assim. E da Martin é tenso de ler. Tenho livro deles e odeio a forma como são feitos alguns. Até nome de personagem os caras traduzem. E tem aquela coisa do texto chatinho. É difícil. Mas sou louca por essa versão da Zahar, parece ser a melhor. Quando vi (foi esse ano) que a editora tinha o livro fiquei doidinha pra comprar. É um livro enorme mas que pelo jeito vale cada minuto de leitura. Invejei você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, pega a versão da Zahar que vale muito mais a pena! O livro é grande mesmo, mas por incrivel que pareça você não vê o tempo passar quando lê.

      Excluir
  2. Eu já tinha assistido uma novela, a qual uma das personagens falava muito sobre o livro O Conde de Monte Cristo, mas não tinha lido nenhuma resenha sobre o mesmo.
    Me interessei bastante pelo livro e creio que irei adquirir um exemplar da Zahar, pois não curti saber que a leitura da outra versão é bem cansativa.
    Valeu pela dica!!! Haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem contar que essa versão e capa dura e se pegar na promo acaba saindo mais barato que a da Martin Claret.

      Excluir
  3. O filme é maravilhoso,gosto da literatura francesa,os livros do Dumas estão em minha fila de leitura,só estou me preparando,1664 páginas leva tempo,preciso fazer um bom planejamento.
    Boa dica sobre as edições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helen eu li 50 paginas por dia. Marcava certinho onde ia ler, respeitando os capitulos. Deu certinho, quando eu começava a cansar, parava e continuava no dia seguinte. Lia uma média de 1h por dia nesse esquema e levei um mês pra ler o livro inteiro.

      Excluir
  4. Adoro O Conde de Monte Cristo e suas varias adaptações. Li quando ainda estava na escola, pra um trabalho e, apesar da enorme quantidade de páginas, me saí bem.
    Já vi todos os filmes possíveis, (Jim Caviezel, te amo ♥) e até uma adaptação pra novela.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados