Resenha: Amor Amargo - Jennifer Brown

14/01/2016

Amor Amargo
Jennifer Brown
Ano: 2015 / Páginas: 256
Idioma: português
Editora: Gutenberg

Último ano do colégio: a formatura da estudiosa Alex se aproxima, assim como a promessa feita com seus dois melhores amigos, Bethany e Zach, de viajarem até o Colorado, local para onde sua mãe estava indo quando morreu em um acidente. O Dia da Viagem se torna cada vez mais próximo, e tudo corre conforme o planejado. 
Até Cole aparecer.
Encantador, divertido, sensível, um astro dos esportes. Alex parece não acreditar que o garoto está ali, querendo se aproximar dela. Quando os dois iniciam um relacionamento, tudo parece caminhar às mil maravilhas, até que ela começa a conhecê-lo de verdade…Em um retrato realista de um relacionamento conturbado, a autora Jennifer Brown – do sucesso A Lista Negra – nos leva até o limite de nossos sentimentos.
Alex é uma jovem que tem uma dúvida. O que sua mãe saiu para procurar no Colorado no dia em que morreu? O que a fez deixar seu pai, ela e suas irmãs? Isso a molda de uma forma muito profunda porque ela sente falta de algo que não sabe nomear. Desde que sua mãe morreu, seu pai está ausente emocionalmente e isso a deixa tão perdida.

"Bethany, Zach e eu vínhamos planejando essa viagem desde os 8 anos de idade, na época em que a mãe de Zach ainda nos chamava de os “Três Terríveis”. A princípio, a ideia tinha sido minha: ir até o lugar para o qual a mamãe estava indo quando morreu e tentar descobrir o que tinha lá de tão importante, que a levou a abandonar sua família."

A melhor parte de sua vida são seus melhores amigos desde a infância, Zach e Bethany. Os três são muito unidos e estão sempre juntos. Que maravilha foi ler essa amizade, a cumplicidade, a alegria e a união são tão intensas que faz com que você queira ligar para seus melhores amigos e simplesmente dizer, amo você.

Então Cole surge na vida de Alex, um rapaz bonito e de maneiras gentis, que preenche o vazio que ela sente em casa. Ele a faz se sentir especial. Mas Cole não é gentil o tempo todo, há momentos em que ele perde a cabeça e a agride, tanto física como emocionalmente. Depois se arrepende e pede desculpas.

"Eles não entendiam Cole. Não entendiam o que eu sentia por ele. Não entendiam que certas coisas, como seu jeito de me acariciar e de me olhar nos olhos, cheio de ternura, não desapareciam de uma hora para outra só porque ele tinha ficado nervoso e perdido a cabeça."

O que a Alex passou foi de trazer lágrimas aos olhos, amar alguém e não conseguir entender o porquê dele machuca-la causa uma confusão tão grande que ela fica tentando arrumar desculpas. Ela não quer perder aquele amor que a torna especial, mas sabe que não pode viver sendo agredida. A vergonha a faz se esconder, mentir, não quer que ninguém saiba que ela quer manter seu amor mesmo não querendo se agredida.

É difícil ler sobre um relacionamento abusivo, principalmente quando sabemos que existem muitas mulheres vivendo exatamente isso, nesse exato momento. O primeiro pensamento sempre é: “Jamais permitiria que alguém fizesse isso comigo”. Mas conforme vamos lendo a história da Alex, dá para notar que é muito difícil ter a ideia do que aconteceria conosco, se estivéssemos no lugar de alguém nessa situação horrível.

"Virei-me e remexi na gaveta em que guardava a maquiagem, tirando um velho lápis de olho. Debruçada sobre o balcão do banheiro, rabisquei “Amor amargo” na parte superior do papel. Cole tinha razão – o título caía como uma luva."

Lendo o livro eu consegui entender a Alex, mas confesso que não consegui entender as atitudes dos melhores amigos dela e odiei a passividade do pai dela. Fiquei muito frustrada com esses personagens mesmo gostando do final do livro.

No entanto acredito que deve sim ser falado, deve sim ser comentado. Para que a vítima saiba que há uma saída, a família e os amigos saibam o que fazer para ajudar. Que não há problemas em pedir ajuda ou falar sobre algo que está magoando você.

Já havia me encantado com a autora pelo livro A lista negra (leia a resenha), esse só veio me confirmar que ela sabe contar uma história com dramas reais de uma forma que todos saibam que não é uma fantasia e sim como um alerta para que você saiba o que fazer tanto para pedir ajudar como para ajudar.


Depois de comentar, preencha: Formulário

Comente com o Facebook:

5 comentários :

  1. Cristiane Dornelas14 de janeiro de 2016 18:43

    Também gostei muito daquele outro livro dela, foi uma leitura e tanto, virou favorito e eu queria mais da autora. Quando esse saiu já sabia que tinha coisa boa por aí. Gosto dos temas, ela faz coisas bem delicadas e escreve de uma forma muito legal de ler. E esse é outro tema e tanto. Estou com ele aqui e não li ainda, mas esse ano vou! Quem sabe até o fim do mês, deu uma animada. E fiquei curiosa com a frustração com os personagens. Hummm, porque será?! Quero ler logo também.

    ResponderExcluir
  2. É um assunto complicado e tão atual. Não entendo como alguém pode afirmar que ama alguém e mesmo assim machucar este alguém, não só fisicamente.

    ResponderExcluir
  3. Eu não gostei tanto de A Lista Negra como imaginava. Mas fiquei de olho nesse novo livro dela, só não sei se o lerei. Porém, achei interessante a história. Só fico com o pé atrás por medo de me decepcionar como aconteceu com outro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Já conheço a escrita da Jennifer Brown por ter lido Lista Negra.
    Amor Amargo chamou minha atenção,trabalha um tema importante(assim como do livro anterior),está na minha lista de leitura,quero ver como a autora abordou relacionamentos abusivos e como concluiu a história.E a capa,gostei bastante,bonita.

    ResponderExcluir
  5. Leticia Ramos de Mello Oliveira26 de janeiro de 2016 09:33

    Olá, Elis!

    Como você falou, o livro merece ser discutido por aí, para que todos entendam que não é só uma história inventada. Que isso ocorre com mulheres de verdade, que sofrem por amar alguém que só as machuca e as afastam de quem poderiam realmente ser. E o duro é pensar que quem agride consegue engana-las mostrando amor, quando na verdade, tratam de um modo pior que um objeto.
    Espero que a Jennifer Brown escreva cada vez mais livros sobre esses temas, pois todos nós precisamos.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados