Resenha: Eu, Você e A Garota Que Vai Morrer - Jesse Andrews

24/08/2015

EUN_VOCE_E_A_GAROTA_QUE_VAI_MO_1433170067450481SK1433170067B

Eu, Você e A Garota Que Vai Morrer
Jesse Andrews
Ano: 2015 / Páginas: 288
Idioma: português
Editora: Rocco Fábrica231




Livro que deu origem ao filme vencedor do Festival Sundance 2015, nas categorias Público e Crítica, com estreia marcada para 12 de junho nos EUA, Eu, você e a garota que vai morrer é uma mistura perfeita entre drama e humor e um retrato preciso da adolescência em face do amadurecimento.


Na trama, Greg tem apenas um amigo, Earl, com quem passa o tempo livre jogando videogame e (re)criando versões bastante pessoais de clássicos do cinema, até a sua mãe decidir que ele deve se aproximar de Raquel, colega de turma que sofre de leucemia. Contrariando todas as expectativas, os três se tornam amigos e vivem experiências ao mesmo tempo tocantes e hilárias, narradas com incrível talento e sensibilidade.


Crossover com enorme potencial no segmento young adult, o romance é perfeito para fãs de livros e filmes como A culpa é das estrelas e As vantagens de ser invisível.




Olá!


Confira a resenha de Eu, você e a garota que vai morrer do autor Jesse Andrews. Esse é aquele livro que te surpreende. Recebi a prova do livro e li muito rápido. Adorei.


O livro foi adaptado para as telonas pelo próprio Andrews em um longa-metragem com direção de Alfonso Gomez-Rejon e acaba de ganhar os dois principais prêmios em Sundance, o mais importante festival dedicado ao cinema independente.


Sim, o próprio título já nos previne que uma garota vai morrer, mas ao contrário de A culpa é das estrelas, não há um amor que supera as coisas, ou tristeza, é um livro engraçado e bem diferente.


A narrativa é em primeira pessoa e Greg Gaines fala diretamente com o leitor. Ele “zoa” o livro o tempo todo, tira sarro de si mesmo e mantém um papo com o leitor o tempo todo.


Ele estuda no colégio Benson, agora é veterano e tenta passar o tempo socialmente invisível. Cumprimenta pessoas de diferentes grupos, mas faz de tudo para não ser rotulado em nenhum.




“É uma verdade universalmente reconhecida que o colégio é uma droga. Pra falar a verdade, o colégio é o local onde nós somos apresentados, pela primeira vez, à pergunta existencial básica na vida: como é possível existir num lugar tão bosta?



Seu único amigo, de fato, é Earl Jackson, um baixinho marrento que vive num lugar horrível, com vários irmãos e uma mãe alheia ao mundo. Juntos eles fazem filmes que são releituras toscas de filmes  estrangeiros – europeus antigos.  Tudo começou por causa do ator Klaus Kinski na foto da capa do filme Aguirre, a cólera dos deuses, que eles encontraram na coleção de DVD’s do pai de Greg.


Não mostram para ninguém, nem para os pais de Greg e isso é um ponto que eles não negociam.


Tudo muda na rotina de Greg quando sua mãe ( que tem o poder de convencer qualquer um e também fala numa torrente de palavras impossível de ser cortada) conta que Rachel, uma garota que costumava ser sua amiga e fazia aulas na sinagoga com ela também, está com leucemia e ele deve voltar a ser seu amigo e ajudá-la a se sentir melhor. Claro que isso não será tão simples.




“Pois é, na verdade este livro provavelmente está fazendo minha vida parecer mais interessante e importante do que é. Livros sempre tentam fazer isso. Se vocês tivessem as manchetes de todos os dias da minha vida, teria, uma sensação melhor de como ela é arbitrária.


“24 de outubro de 2011”

“Pouquíssima coisa acontece”

“Mais uma vez, a barriga de gelatina causa ataque de gato”

“Aluno tem série de conversas vazias que não vale citar”

Greg narra situações cômicas, tem dificuldade em receber elogios e em lidar com essa situação totalmente diferente de seu cotidiano.


Apesar da narrativa em primeira pessoa, é um livro totalmente diferente, é cativante e fala direto ao adolescente. Greg interage com o leitor, é inteligente e engraçado. E mesmo vendo a história e inclusive os outros personagens sob sua ótica, é um livro muito bom, cheio de personalidade.


O pai de Greg é estranho, Earl também, o que rende vários comentários interessantes, sem contar o próprio Greg, e as várias situações mostradas e como ele e Earl lidam com elas.


Um livro imperdível.


A não ser que “você tenha um fungo comendo seu cérebro.”


Rosana Gutierrez


Depois de comentar, preencha: Formulário

Comente com o Facebook:

14 comentários :

  1. Adoro a capa e não sabia que a história já havia sido adaptada, mas não curto sick-lit.
    Sei lá, mas já começar uma história sabendo que alguém tem uma grave doença e consequentemente pode morrer, não gosto.

    ResponderExcluir
  2. Eu ganhei ele num sorteio, mas ainda não chegou =(
    desde antes de ganhar já estava interessada, pois gosto sim de livros com personagens doentes, acho que nos faz refletir muito e dar mais valor na nossa vida e nas pessoas que amamos.
    Mas esse me chamou atenção, por ser justamente divertido, sem pedir pena nem nada.
    Amei sua resenha, agora to ansiosa para que o meu chegue logo!! kkkkkk
    bjos
    elvisgatao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sempre me peguei perguntando do que se trava esse livro, pq o título é mto curioso. Mas confesso que nunca procurei saber e só estou lendo agora mesmo no seu blog.
    Adorei saber que o livro se trata de amizade e que entre eles tem uma garota com leucemia, imagino oq ela esteja passando já por causa da doença.
    Bacana saber que o livro tem humor e descreve a amizade dos 3 amigos.
    Vou tentar ler antes de ver o filme, fiquei bem interessada com tudo.
    Amei a dica!

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho que estar em um certo clima para ler livro assim, porque eu sempre acabo me apegando justamente ao personagem doente rs

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Eu não tenho nada contra, mas se eu já estou em um dia sensível, esse tipo de livro me arrasa...
    Apesar que esse parece ser menos depressivo que os outros, já que há humor.

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Eu também fiquei muito interessada, mas tenho que esperar o momento certo para ler... Não sei como o autor lidou com a morte da menina rs
    Sou medrosa nesse nível rs

    bjs

    ResponderExcluir
  7. A primeira coisa que penso é na Culpa das Estrelas,e eu adorei tanto o livro do John Green.Ver uma sinopse tão parecida parece concorrer,mesmo esse sendo voltado para o humor,por isso não despertou meu interesse.

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Então, o livro não é bem um sick-lit. Ele é mais sobre o Greg e como é a escola e a interação dele.
    Não é nada depressivo ou parecido com A culpa é das estrelas ou outro do gênero, pelo contrário.
    O Greg é muito sem noção e vc passa o livro rindo das bobagens.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Gostei mesmo da resenha e de saber que é um sick lit que não mantem aquele tom triste, melancólico e as vezes até mórbido e pedante em torno da morte de um dos personagens. Fiquei curiosa e os trechos citados na resenha me fizeram pensar sobre o humor do protagonista e meio que gostei do jeito que ele encara as coisas. Gosto muito de histórias que focam na amizade, então espero que seja uma leitura proveitosa. Tinha ouvido falar sobre o filme e que tinha sido vencedor de duas categorias no Sundance, como gosto de acompanhar alguns filmes independentes tentarei assistir ao filme também.

    ResponderExcluir
  10. Eu não gosto quando eles fazem isso, parecem que fazer de propósito. afe

    Eu vou dar uma chance rs

    bjs

    ResponderExcluir
  11. Obrigada pela explicação Rô!

    bjs

    ResponderExcluir
  12. Leticia Ramos de Mello Oliveira26 de agosto de 2015 13:18

    Olá!

    Esse livro é divertido, mas também divide opiniões, pois tem gente que acha que o Greg em sua narração zoa de tudo e de todos, o que para uns tira a ligação com o personagem durante a leitura. Mas também isso torna o livro bem diferente de A culpa é das Estrelas, pois você tem um outro tipo de história, mais escrachada e doida. Por isso, sinto vontade de ler esse livro, mesmo que ela não seja tão grande assim. Ah, e as parodias que Greg e Carl fazem dos filmes vai agradar a quem viu o filme Rebobine, por favor!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  13. Não leio livros onde os personagens tem essa faixa etária e apesar da forma com que a história foi contada - leve e divertida - esse é um livro que não tendo interesse em ler, mas não descartarei a oportunidade se ela se apresentar em meu caminho...
    Bjos!

    ResponderExcluir
  14. Alessandra Fernandes28 de agosto de 2015 16:29

    Adorei sua resenha <3
    Bom, me interessei muito por esse livro, já que vai tratar de um assunto sério como uma doença que causa tanta dor e tristeza, mas de modo diferente, divertido, com protagonistas nada heroicos, fugindo do clichê.
    Tenho certeza que vou adorar a leitura. Já adicionei na listinha infinita.
    Bjs Elis!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados