Resenha: Beleza Perdida – Amy Harmon

11/08/2015

BELEZA_PERDIDA_1429410175353795SK1429410175B


Beleza Perdida
Amy Harmon
Ano: 2015 / Páginas: 332
Idioma: português
Editora: Verus




Ambrose Young é lindo — alto e musculoso, com cabelos que chegam aos ombros e olhos penetrantes. O tipo de beleza que poderia figurar na capa de um romance, e Fern Taylor saberia, pois devora esse tipo de livro desde os treze anos. Mas, por ele ser tão bonito, Fern nunca imaginou que poderia ter Ambrose… até tudo na vida dele mudar.


Beleza perdida é a história de uma cidadezinha onde cinco jovens vão para a guerra e apenas um retorna. É uma história sobre perdas — perda coletiva, perda individual, perda da beleza, perda de vidas, perda de identidade, mas também ganhos incalculáveis. É um conto sobre o amor inabalável de uma garota por um guerreiro ferido.


Este é um livro profundo e emocionante sobre a amizade que supera a tristeza, sobre o heroísmo que desafia as definições comuns, além de uma releitura moderna de A Bela e a Fera, que nos faz descobrir que há tanto beleza quanto ferocidade em todos nós.



Eu fiz um texto desse livro que nem dá para chamar de resenha, vamos ser sinceros. Então a linda da Beta Oliveira do Literatura de mulherzinha fez uma resenha muito linda e que expressa o que eu senti também.



Como escorpiana sou naturalmente desconfiada. Então quando vejo algo em excesso fico me perguntando: “será que é tudo isso mesmo?” Aí o famoso ascendente geminiano desafia: “vamos ver se é?”. Em alguns casos, os elogios não se justificaram na minha análise. Em outras, eles são até poucos.
Este livro merece cada uma das boas coisas que você provavelmente vai ouvir sobre ele.


Beleza Perdida – Amy Harmon – Verus
(Making faces - 2013)
Personagens: Ambrose Young e Fern Taylor


- É um livro de uma beleza incrível. Ele consegue tratar de temas pesados e tristes, mas o faz de uma forma tão singela e simples, sem ser simplório, que a leitura flui e você fica com pena de ser interrompido e contando os minutos para retomar (sim, foi o que aconteceu comigo). Ele pega os estereótipos que a gente sempre associa aos “high schools” e os humaniza. O atleta imbatível duvida de si mesmo. Os amigos estão juntos em todas as aventuras, mesmo quando nem todos querem ir. O futuro se revela assustador pela indefinição se eles vão conseguir. A menina bonita precisa da afirmação constante da beleza através dos admiradores. Há casos em que a beleza não se sustenta sem conteúdo ou além do que a própria pessoa vê no espelho quando ela deixa de existir. A jovem que está sempre à margem gostaria de ser enxergada pelos demais. O menino deficiente físico se revela a alma do time.


- É desta forma que a autora nos apresenta Fern, a jovem ruiva romântica, amável e inteligente que quase ninguém nota, que se sente feia porque ouviu uma pessoa que amava dizendo que ela não era bonita como a amiga Rita, o grande amor do primo de Fern, Bailey, que sofre de síndrome de Duchenne e sabe que o tempo para ele corre diferente dos demais. Se o corpo deixasse, Bailey seria um lutador, porque o pai é o técnico da equipe de luta livre da escola, onde estão, entre outros, o bondoso Paulie, o correto e disciplinado Grant, o brincalhão (às vezes, sem limite) Beans e o determinado Jesse que no fundo sonhava em ser melhor que Ambrose. Ambrose, com seus cabelos compridos, beleza de modelo de comercial de cuecas, força, altura e elasticidade descomunais para quem pratica a modalidade, era o “Hércules”, o cara da escola. Ele era quem os rapazes invejavam ou queriam ser e com quem as garotas queriam estar. Inclusive Rita, que começou a se corresponder mandando bilhetes para ele, que não sabia, mas eram escritos por Fern.


“Ele nos esculpe para Seu prazer, por uma razão que não posso ver?
Se Deus faz todos os rostos, Ele riu quando me fez?”


- O mundo vai muito além das aparências, mas nem sempre temos a sensibilidade ou a maturidade para perceber isso. É necessária uma tragédia nacional, que desencadeia uma dor local, para tudo mudar. Com o 11 de setembro e a confusão sobre o próprio futuro (e o peso que pairava de ser imbatível), Ambrose decide se alistar no Exército para ir lutar no exterior. E os amigos vão juntos. Como o resumo da contracapa antecipa, apenas Ambrose, ferido, desfigurado, volta.


- A autora não corre com a trama. Ela nos apresenta os personagens, nos mostra os laços entre eles para estabelecer a importância e o impacto da morte de quatro jovens em uma guerra tão longe de casa. E da culpa que consome o único sobrevivente, cujas cicatrizes físicas não são nem sombra do estrago emocional. A autora reflete sobre perda, sobre a morte, sobre coragem, sobre como algumas coisas, por mais que a gente queira, não encontra nem resposta e, talvez, nem consolo. E a partir do momento que as coisas deixam de ser como sempre foram, mudam também os critérios de análise. O que é beleza? O que é saúde? O que é felicidade? O que é vida? O que é morte? Será que algum dia a dor vai passar, vai se transformar em algo suportável ou motivador ao invés desta força sufocante? Como é deixar de ser o belo e se tornar o monstro? Como é perceber que a jovem que pouco notou agora era a única que tinha coragem de insistir em tentar falar com ele, após um reencontro acidental? Mas será que era amor ou era pena, já que ela estava acostumada a cuidar e proteger?


“Não acho que obtemos respostas para todas as perguntas nem chegamos a conhecer todos os porquês. Mas acredito que vamos olhar para trás no fim da vida, se fizermos o nosso melhor, e vamos ver que as coisas que imploramos a Deus qe tirasse de nós, as coisas pelas quais O amaldiçoamos, as coisas que nos fizeramvirar as costas para Ele ou para quaquer crença Nele, foram as maiores bênçãos, as maiores oportunidades de crescimento”


- Eu me vi em Fern em vários momentos. Desde a síndrome de patinho feio até ao fato de ela ser leitora ávida de romances de banca desde os 13 anos e de isso ser tratado como apenas mais um fato a respeito dela (aliás, estou esperando um comentário sobre isso vindo da Rosana kkk), assim como gostar de escrever histórias que sempre refletem algo que ela está vivendo. De ela mesmo ouvindo que se tornou bonita não consegue acreditar porque a frase ouvida sem querer tantos anos antes condicionou a visão que ela construiu dela mesma, não importa que os cabelos cresceram, o aparelho foi tirado e o corpo se desenvolveu. Também me vi em Ambrose, que sentiu medo diante da enorme expectativa que todos tinham dele. E depois sentiu dúvidas, medos, remorsos e culpa diante do que se tornou e por ter sobrevivido. Como recuperar os laços e reconstruí-los a partir disso, como encontrar um sentido quando ele parece não existir mais. E me vi em Bailey, o garoto que celebrava cada dia e cada ano que superava as expectativas ditadas pela evolução da doença. Eu me vi nas dores que eles experimentaram, ainda mais por ter passado recentemente por uma perda doída, em que este livro ajudou a tocar (porque escorpianas teimosas deixam a dor de lado até estarem prontas para lidar com ela. Às vezes por bem, às vezes por mal e, em muitas vezes, contra a vontade)


“A vitória está na batalha”


- Como disse no início, desconfiei diante de tantos elogios. Mas eles são merecidos. A autora soube tratar do tema de uma forma capaz de capturar a atenção. Claro que não pode agradar a todos. Já tive outros com propostas parecidas que me estressaram ou angustiaram. Posso ter gostado deste talvez pela autora ter acertado nas doses de irreverência e alegria em meio à dor e tristeza. Talvez porque era uma história que eu precisava, neste momento. No fundo apenas conjecturas, porque não existe resposta certa. Mesmo assim agradeço pela paz que me trouxe, em sua sensibilidade, dor e simplicidade. E provavelmente, voltarei a vê-lo na lista dos melhores do ano em dezembro.


Beta Oliveira


Depois de comentar, preencha: Formulário

Comente com o Facebook:

16 comentários :

  1. Alessandra Fernandes11 de agosto de 2015 16:49

    Consegui ganhar esse livro em um sorteio, mas não chegou ainda. Consegue sentir a ansiedade que estou para poder lê-lo?? =P
    Gostei de saber que é uma releitura de A Bela e a Fera. Ele parece bem forte e emocionante. Daqueles livros que nos tiram o ar e nos faz chorar, sou muito emotiva e sinto que essa obra vai me deixar em ressaca literária. Espero realmente que seja uma boa leitura para mim.
    Bjs Elis!!

    ResponderExcluir
  2. Li uma resenha recentemente e adorei. A capa é linda, mas não esperava um sick-lit. A resenha dava a entender que seria algo adolescente, fofinho, coisa que não boto muita fé, mas as resenhas estão me surpreendendo.

    ResponderExcluir
  3. O livro parece ser lindo e encantador apesar das partes tristes!! E o que acontece com Ambrose deve ter um bem maior!! Ele teve perdas mas com certeza os ganhos serão maiores!! Estou muito ansiosa para ler e o livro está bem comentado!!

    ResponderExcluir
  4. Leticia Ramos de Mello Oliveira16 de agosto de 2015 08:19

    Olha, Elis, para mim sua resenha de Beleza Perdida não era impublicável, só era mais curta e porque você não quis passar muito spoiler sobre a trama do livro. E mesmo assim, ela foi muito boa.
    Mas a resenha da Beta confirmou o que já senti na sua resenha: Esse livro não é somente uma simples releitura de um conto de fadas, como muitos por aí. Ela pega a lição do conto, a de que a beleza interna deve ser sempre mais valorizada e respeitada, e a espalha de diversas formas na nossa realidade, onde os vilões parecem serem maiores e as fadas madrinhas que mudam tudo em um passe de mágica não existem.
    E ainda passa uma lição de fé e de esperança para todos nós que passamos por momentos difíceis.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Zilda Rosa dos Santos16 de agosto de 2015 09:06

    Que livro comovente!! Também sou manteiga derretida!! As perdas que Ambrose teve foram grandes e imensuráveis, e pensar que foi ele que teve a ideia de se alistar para a guerra juntamente com seus amigos!! Mas acredito que o amor que Fern sente irá ajudar bastante a amenizar estas perdas!!

    ResponderExcluir
  6. Também espero Alessandra, o livro é bem bonito mesmo.

    bjs

    ResponderExcluir
  7. O livro surpreende mesmo Jois. Tem seu lado fofo, mas também fala sobre muitas outras coisas... É um livro bem rico...

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Leia assim que tiver uma oportunidade, a história vai muito além do Ambrose. Tem de tudo um pouco tornando o livro bem lindo.

    bjs

    ResponderExcluir
  9. É exatamente isso Leticia!

    bjs

    ResponderExcluir
  10. O amor é o que faz a diferença durante todo o livro Zilda. Para todos.
    Leia, você vai adorar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Acredito que um dos pontos fortes do livro seja a forma como a autora contou sua história, abordando assuntos triste mas colocando doses de alegria... Depois dessa resenha emocionante fiquei ainda mais ansiosa em conhecer a escrita da Amy! Com certeza me apaixonarei por esses personagens tão marcantes!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  12. Hum,uma releitura da Bela e a Fera?!
    Ser "singelo e simples, sem ser simplório" é uma grande qualidade e um desafio para um livro,esse ponto da resenha atiçou minha curiosidade mais do que a sinopse.

    ResponderExcluir
  13. Já li algumas resenhas deste livro e como ressaltou na resenha, a maioria expõe muitas críticas positivas, elogiando o conteúdo e a sensibilidade da trama. Esta resenha conseguiu com que eu ficasse ainda mais empolgada e com vontade de ler. Gosto muito de enredos que sabem balancear temas dramáticos, que possuam sua carga de veracidade sem se tornar pedante. Além de que quando os personagens são multidimensionais, cheios de camadas e com ações justificadas, o livro se torna ainda mais "real" e me identificar, torcer e criar laços com personagens torna a experiência de leitura ainda mais marcante também. Parabéns pela resenha e espero mesmo que consiga ler "Beleza Perdida" o mais breve possível.

    ResponderExcluir
  14. Ouuwn, que linda a resenha, ameeei!!!
    Tem cara de ser aquele livros que nos deixa sem palavras. Lindo, forte, profundo.
    Que traz à tona os mais obscuros sentimentos que temos de nós mesmos coincidindo com o que os outros pensam da gente.
    Bem marcante!
    Preciso pra hoje!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Antes mesmo do lançamento do livro, quando saiu a capa nacional já fiquei completamente apaixonada, e querendo ler o livro. Depois de ler várias resenhas e ai que a relação ficou mais forte, pelo fato de que a estória e linda e totalmente diferente do que vemos nos livros hoje em dia, espero ler logo o livro e não me decepcionar, pois tenho colocado muita expectativa nessa leitura.

    ResponderExcluir
  16. Afirmo que é o melhor livro que já li até hoje! Você ti, você chora, você se apaixona... Um livro de muitos sentimentos. Perda, amor e uma história linda sobre amizade! Ambrose Young e Fern Taylor, um amor apaixonante.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados