Resenha: Segredos de Um Pecador - Madeline Hunter

23/07/2015

SEGREDOS_DE_UM_PECADOR_1424264069417017SK1424264069B

Segredos de Um Pecador
Rothwell Brothers # 04
Madeline Hunter
Ano: 2015 / Páginas: 240
Idioma: português
Editora: Arqueiro




Leona Montgomery foi criada na China. Com pai inglês e mãe portuguesa, aprendeu desde cedo a se adaptar aos costumes de outras terras e adquiriu uma cultura e uma sofisticação incomuns às mulheres de seu tempo. Por isso, quando o pai, já viúvo, morreu, deixando os dois filhos em uma situação financeira difícil, Leona assumiu os cuidados do irmão caçula e os negócios da família. Trabalhando pela recuperação da Montgomery & Tavares, ela viajou por diversos países, negociou com homens rudes e enfrentou piratas. Recém-chegada a Londres, agora espera fechar parcerias comerciais e dar sequência a uma investigação que o pai não pôde concluir. Mas estar em Londres significa algo mais.


Sete anos atrás, Edmund, um naturalista inglês, deixou Macau à noite, depois de um beijo de despedida que Leona nunca esqueceu, e retornou à Inglaterra. O que Leona não poderia imaginar era que Edmund na verdade é Christian Rothwell, o marquês de Easterbrook, um homem poderoso envolto em mistérios – e que talvez se beneficiasse com o fim das investigações de seu pai. Dividida entre o dever e a tentação, é na cama do marquês que ela fará suas maiores descobertas.


Madeline Hunter tem uma capacidade excepcional de conduzir o leitor por romances ardentes que falam direto ao corpo, à mente e ao coração.” – Romantic Times




Como sempre, deixam o melhor para o final!


Lord Easterbrook passou os livros anteriores somente fazendo participações especiais e sem querer nada com nada. Ele ficava lá, quietinho no canto dele, sem querer ser incomodado e de vez em quando dava o ar da sua graça, normalmente aparecendo de robe, com o cabelo despenteado, e de pijamas. Eu fico assim em casa também, mas no caso dele, acho um pouco demais.


Um dia, no alto do seu recolhimento, ele vê uma mulher do seu passado saindo da sua casa (sim, ele não sabe o que se passa dentro da própria casa), e decide por seus capangas para segui-la e sequestrá-la. Afinal é assim que os nobres agem, eles vão lá e pegam o que querem. Leona fica emputecida, afinal Christian era o último homem que ela queria ver, depois do que ele aprontou com ela e a família na China, e agora ela veio para Londres tentar se recuperar dos golpes nos negócios causados pelo comércio de ópio.


Christian havia ido para a China depois da morte do pai, para tentar escapar de alguns problemas pessoais, ele tem uma sensibilidade muito aguçada e consegue sentir os “humores” da pessoa, como uma forma de telepatia, e na China ele aprendeu umas técnicas de meditação que usa para se isolar do ambiente. E essa condição o torna muito arrisco ao convívio com as pessoas, na época chamavam isso de “excêntrico”, mas na verdade queriam dizer que o nobre era “maluco” mesmo.


A trama do livro gira em torno na guerra do ópio, uma passagem vergonhosa da história da Inglaterra, onde o vício foi explorado pela nobreza, que traficava alegremente a substância da China, e a vendia para seus conterrâneos, para os chineses e para quem pagasse bem, sem maiores preocupações. Essa parte é bem mostrada e discutida no livro, inclusive o próprio Easterbrooke sofreu com o vício, conforme ele conta em uma passagem.


Gostei bastante do enfoque do livro, fugiu um pouco da lenga-lenga açucarada comum nos livros de época, mas a autora não tem por costume usar de temas fáceis em suas obras, ela não gosta de cair muito no óbvio, o que as vezes a torna uma autora difícil de ler, pois você vai esperando encontrar uma história facinha e melosa e se depara com temas fortes e situações complicadas.


Cris Paiva


Irmãos Rothwell

  1. As Regras da Sedução (Resenha)

  2. Lições do Desejo (Resenha)

  3. Jogos do prazer (Resenha)

  4. Segredos de Um Pecador


Depois de comentar, preencha: Formulário

Comente com o Facebook:

8 comentários :

  1. To numa vibe de romances de época, mas Madeline meio que me decepcionou um pouco em comparação com autoras como Julia Quinn e Lisa Kleypas. Livros lentos, onde as situações demoram séculos pra se desenvolverem e senti falta de um pouco de humor, enquanto Julia e Lisa me fazem gargalhar logo na primeira página.

    ResponderExcluir
  2. Ela tem um estilo diferente Jois, ela prefere temas mais fortes e situações mais cabulosas. Tambem achei a escrita dela mais lenta, mas passado o comecinho do livro, que sempre demora para engrenar, eu sempre acabo gostando do que eu li.

    ResponderExcluir
  3. Oi Elis.

    Confesso que comecei lendo um pouco desanimada por quase ter certeza que seria mais um clichê; mas com o passar da leitura tive uma grata surpresa. Gosto de histórias que não focam muito em romance; que dão outros sentidos.
    Uma pergunta: São somente esses 4 livros??????
    Amei a resenha.

    Bjss

    ResponderExcluir
  4. Sim, essa série tem 4 livros. Ainda bem que a autora não é fã de séries sem-fim.

    ResponderExcluir
  5. Olaa
    poxa, eu gosto muito de romances de epoca quando sao narrados de uma boa forma e na dosagem adequada de sensualidade, alem de que uma das epocas que eu mais gostava de estudar no colegio era essa tematica de conquistas entre paises, onde narrava tbm a guerra do opio! Fiquei mega curiosa para saber como foi narrado nesse livro!

    ResponderExcluir
  6. Não li nenhum livro dessa série, e confesso que nenhuma sinopse dos livros despertou minha curiosidade. Mas achei interessante saber que a trama gira em torno da guerra do ópio; com toda certeza, o livro é uma ótima dica pra quem gosta do estilo da autora.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  7. Leticia Ramos de Mello Oliveira25 de julho de 2015 11:03

    Fico surpresa que em um romance de época se fale da Guerra do Ópio. Me lembro de ter estudado um pouco sobre ela nos Ensinos Fundamental e Médio, mas tive que dar uma revisada na Wikipédia para me lembrar um pouco mais. É duro acreditar que já no século XIX se brigava por causa das drogas e que até hoje, não importa o tipo da droga, há gente brigando e matando para explorar a fraqueza dos outros.
    O que gostei da Leona é que décadas antes da internet e da libertação feminina, ela já representava o que o contato com culturas diferentes fazia com as pessoas.
    Por fim, posso dizer que também fico em casa só de pijamas de vez em quando, mas ver o Christian assim não seria nada mal (principalmente se puder tirar o robe!).

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Outra série que to doidinha pra ler!!
    As capas são bonitas, mas não tanto.
    Tenho uns 3 marcadores que ganhei da série num sorteio.
    Quero ler pelo menos o 1 também. As histórias parecem ser bem escritas e fundamentadas.
    PRECISOOOOO!
    bjs

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados