Resenha: Menina Morta-Viva - Elizabeth Scott

12/04/2015

MENINA_MORTAVIVA__1299017123B

Menina Morta-Viva
Elizabeth Scott
Ano: 2011 / Páginas: 172
Idioma: português
Editora: Underworld




Era uma vez, eu era uma menininha que desapareceu.
Era uma vez, o meu nome não era Alice. Era uma vez, eu não sabia como tinha sorte. Quando Alice tinha dez anos, Ray levou-a de sua família, seus amigos ― a sua vida. Ela aprendeu a desistir de todo o poder, para suportar toda a dor. Ela esperou que o pesadelo acabasse. Alice agora tem quinze e Ray ainda a tem, mas ele fala mais e mais da sua morte. Ele não sabe é o que ela anseia. Ela não sabe que ele tem algo mais assustador do que a morte em mente para ela. Esta é a história de Alice. É uma que você nunca ouviu falar, e que você nunca, jamais esquecerá.



Quando li essa sinopse, pensei que o livro seria sobre superação, sobre como uma menina pode sobreviver quando o inimaginável acontece em sua vida. Me enganei.


O livro é uma mensagem, um grito de socorro, ao ler as páginas, me senti lendo um diário de uma vítima, me senti sendo esbofeteada no rosto para a realidade. Quantas crianças somem por dia? Quantas crianças sofrem o que nem um animalzinho deveria sofrer? Só que como todas as pessoas que sofrem, elas se tornam invisíveis, como se aquele horror fosse contagioso.


Não é um livro para ser lido de qualquer jeito, em uma tarde no parque, mas a mensagem que ele passa merece ser lida.


Não sei se dá para perceber como o livro me perturbou, me feriu. Mas acho realmente que vale a leitura, mesmo o final sendo tão triste como todo o livro, é bom se lembrar de manter os olhos abertos para as maldades que o ser humano é capaz de cometer contra o próximo.

assinatura


Depois de comentar, preencha:


Formulário





Comente com o Facebook:

4 comentários :

  1. ELIZABETH MACHADO SALLES13 de abril de 2015 07:11

    Fiquei abalada agora. Não esperava que fosse tão forte como você menciona aqui. Realmente não deve ser nada fácil e agradável isso. Nem consigo imaginar o tamanho da dor e do sofrimento dessas crianças. Algo pra se pensar mais mesmo e de se levar mais a sério esses casos. Vou ver se consigo ler.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Já tem um bom tempo que quero ler esse livro, aliás, tem vários livros dessa editora que quero ler.
    Mas eu meio que já sabia sobre a história, então já sei o que esperar e é justamente por isso que quero ler ele. Sei deve ter uma mensagem bem impactante.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Elis.
    O universo dos livros é uma forma de escape pra mim, ler me ajudou bastante em uma certa época complicada da minha vida - e até hoje continua ajudando. Por esse motivo evito ler drama ou fatos trágicos baseados na vida real, ou até mesmo história que eu sei que aconteceu com outras pessoas e que infelizmente continua acontecendo, pois livros assim me deixam bastante emotiva, por isso eu não teria coragem para ler esse livro...

    ResponderExcluir
  4. Não gosto muito de histórias que envolvam crianças... quero dizer histórias tristes. Tenho pavor dessa onda sick-lit que abateu o mercado literário com crianças com doenças terminais... pode ser que sejam livros de superação, sonhos de crianças, mas não gosto.

    Só a sinopse desse livro me deixou tensa "Alice agora tem quinze e Ray ainda a tem, mas ele fala mais e mais da sua morte. Ela não sabe que ele tem algo mais assustador do que a morte em mente para ela." Isso me causou arrepios e não quero ler de jeito nenhum!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados