Resenha: Cinquenta Tons de Liberdade - E. L. James

22/04/2015

CINQUENTA_TONS_DE_LIBERDADE_1339189198B

Cinquenta Tons de Liberdade
Cinquenta Tons de Cinza # 3
E.L. James
Ano: 2012 / Páginas: 544
Idioma: português
Editora: Intrínseca




Quando a ingênua Anastasia Steele conheceu o jovem empresário Christian Grey, teve início um sensual caso de amor que mudou a vida dos dois irrevogavelmente. Chocada, intrigada e, por fim, repelida pelas estranhas exigências sexuais de Christian, Ana exige um comprometimento mais profundo. Determinado a não perdê-la, ele concorda. Agora, Ana e Christian têm tudo: amor, paixão, intimidade, riqueza e um mundo de possibilidades a sua frente. Mas Ana sabe que o relacionamento não será fácil, e a vida a dois reserva desafios que nenhum deles seria capaz de imaginar. Ana precisa se ajustar ao mundo de opulência de Grey sem sacrificar sua identidade. E ele precisa aprender a dominar seu impulso controlador e se livrar do que o atormentava no passado. Quando parece que a força dessa união vai vencer qualquer obstáculo, a malícia, o infortúnio e o destino conspiram para transformar os piores medos de Ana em realidade...



Ai, ai... Cheguei ao último livro da série querendo que ela durasse mais. Sei, sei, não curti muito o primeiro livro, mas o segundo me pegou de jeito e cai com tudo nesse terceiro.


Achei esse livro mais comum. Como posso explicar... Christian ainda era um príncipe encantado, mas nesse vemos mais seus defeitos, vemos como não consegue lidar com a independência da Anastasia. Como quer controlá-la acima de tudo e como ela luta contra isso. E devo dizer que ela foi brilhante nesse quesito. Cedia ou brigava de acordo com o que considerava certo e isso foi bem legal de ler.


Só que ao ler esse livro, eu não senti o entusiasmo que senti lendo o segundo. Curti sim a leitura, só que não fiquei ansiosa para terminar logo, e nem foi para que demorasse a acabar, eu simplesmente não senti que haveria nenhuma grande reviravolta sabe? Tudo estava completamente previsível, nenhuma cena me deixou com o coração na mão como algumas cenas do livro 2.


Foi um bom livro para fechar a série, gostei de como foi amarrada as coisas. Nada espetacular, mas o amor deles me convenceu. Achei fofo da parte da E. L. James inserir o primeiro Natal de Christian com os Grey e um capítulo com o ponto de vista dele sobre o dia que conheceu Anastasia.


No balanço geral, curti muito ler a trilogia, só não entrou para a categoria “imperdível” dos meus livros. Precisaria de um texto mais rico e cenas menos repetitivas, eu acho.


assinatura

Trilogia Cinquenta tons de cinza

#1 Cinquenta tons de cinza – Fifty Shades of Grey <Leia a resenha>

#2 Cinquenta tons mais escuros – Fifty Shades Darker < Leia a resenha >

#3 Cinquenta tons de liberdade – Fifty Shades Freed

Depois de comentar, preencha:


Formulário

Comente com o Facebook:

4 comentários :

  1. Oi, Elis!
    O legal de uma série é que você acaba conhecendo um lado dos personagens que você nunca teria imaginado nos livros anteriores...
    Chato quando o livro se torna tão previsível, gosto de livros que me surpreendam, que me tirem o fôlego!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Andei lendo umas coisas que me deixaram mais certa de que Grey é psico.
    Já disse, apesar de não ter gostado do primeiro que tbm foi o único que li, bate uma certa curiosidade. Comprar não compro mais.

    ResponderExcluir
  3. ELIZABETH MACHADO SALLES23 de abril de 2015 09:32

    Demais esses livros não é? Achei este último livro perfeito. Gray deu uma crescida como personagem neste final. A autora soube desenvolvê-lo muito bem aqui. Uma reviravolta tremenda comparado ao primeiro livro da série. Sou gamada nestes livros. E te digo uma coisa. Vou sentir falta dele. Gray é demais.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Leticia Ramos de Mello Oliveira30 de abril de 2015 21:24

    Olá, Elis!

    Não sei, na sinopse eu senti um lado Eve Dallas dentro da Anastasia, na parte dela ter que lidar com o mundo do marido mas sem perder sua identidade, mas o Grey não é como Roarke, pois o Roarke é mais romântico e menos dominador do que o Grey. Ele dá mais espaço para ela, sabe?
    Agora meu tabu com essa série caiu, mas não sei se ela entra na minha lista de leitura.

    Um abraço!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados