Resenha: O Hipnotista - Lars Kepler

07/01/2015

O_HIPNOTISTA_1317320690B

O Hipnotista
Lars Kepler
ISBN: 9788580570915
Ano: 2011 / Páginas: 480
Editora: Intrínseca




O massacre de uma família nos arredores de Estocolmo abala a polícia sueca. Os homicídios chamam a atenção do detetive Joona Linna, que exige investigar os assassinatos. O criminoso ainda está foragido, e há somente uma testemunha: o filho de 15 anos, que sobreviveu ao ataque. Quem cometeu os crimes o queria morto: ele recebeu mais de cem facadas e está em estado de choque.


Desesperado por informações, Linna só vê uma saída: hipnose. Ele convence o Dr. Erik Maria Bark – especialista em pacientes psicologicamente traumatizados – a hipnotizar o garoto, na esperança de descobrir o assassino através das memórias da vítima. É o tipo de trabalho que Bark jurara nunca mais fazer: eticamente questionável e psicologicamente danoso. Quando ele quebra a promessa e hipnotiza o garoto, uma longa e aterrorizante sequência de acontecimentos tem início.



Adoro romances policiais, ainda mais quando eles são bem escritos, tensos e me deixam nos cascos de tão nervosa!


Joona Lina é um policial que está investigando um crime horrendo. Uma família inteira foi esfaqueada e esquartejada e só tem um sobrevivente, um rapaz de 15 anos. Ele chama um médico psiquiatra para ajudá-lo a tentar descobrir alguma coisa do rapaz inconsciente, e rapidamente. E a melhor maneira de fazer isso é hipnotiza-lo!


Só que as coisas que o hipnotista, Erik, descobre viram o caso de cabeça para baixo e as repercussões ameaçam acabar com a sua carreira. Logo em seguida ele tem um assassino psicopata o perseguindo, e querendo desmembrá-lo por inteiro, a imprensa o atacando por ter hipnotizado alguém inconsciente e indefeso e algum maluco ameaçando a sua família.


A história não gira basicamente em torno do assassinato, como muitas pessoas pensam, mas em cima da investigação, do hipnotismo e das consequências que o ato de Erik gerou. Os assassinatos são apenas o catalisador disso tudo.


O autor alterna o foco da historia, para dar agilidade à trama; uma hora a ação está nas mãos do investigador, e na outra em Erik e em seu passado de hipnotizador e os seus antigos pacientes, e na atualidade com o drama que se desenrola em sua casa e na investigação que se desenvolve.


Não pude deixar de fazer um paralelo com a realidade que estamos vivendo no Brasil, já que parte do livro foca na delinquência juvenil, e nos nossos delinquentes e na maneira branda e paternalista como são tratados por nossa sociedade. Não pude deixar de pensar na maldade que as pessoas desenvolvem desde cedo, e em como ela progride até levar a termo atitudes assustadoras! Essa parte da maldade intrínseca à pessoa é o que foi o mais assustador no livro inteiro para mim.


Por Cris Paiva



Depois de comentar, preencha:


Formulário

Comente com o Facebook:

6 comentários :

  1. Adorei a resenha. Também gosto muito de romances policiais e esse me parece ser diferente, por tratar do hipnotismo no meio e por usar isso pra resolver o caso, não é um método muito aceito. fiquei com muita vontade de ler o livro.

    ResponderExcluir
  2. Oi Elis e Cris,
    Gostei muito da resenha.
    Já tinha visto a capa do livro, mas nunca tinha parado para ler a sinopse, e foi o que me trouxe para ler a resenha.
    Que terror, não é a toa que o rapaz está em choque, 100 facadas, não era o dia dele mesmo.
    Fico imaginando a revolta pela hipnose. Sei que estou maluca para acompanhar essa trama, pena que a lista de leitura está enorme.
    Um drama policial do jeito que eu gosto. Com o bônus de acompanhar mais de uma visão. =)

    ResponderExcluir
  3. Está na minha lista de leitura também, mas a minha lista também está enorme! rs

    Bjo

    ResponderExcluir
  4. A resenha me deixou aflita e com muita vontade de ler!!!
    Não tenho o hábito de ler romances policiais, mas este me parece ser uma grande obra (e já adicionei no Skoob, sem titubear). Um assassinato brutal e uma tentativa de homicídio horrenda, juntamente com hipnose? Achei a sinopse muito atraente por juntar isso. Pelo visto, a história é bem ágil, envolvendo pontos de vistas intercalados (coisa que adoro em alguns livros) e adoro ler coisas que não me fazem desgrudar daquele contexto até ser finalizado. Enfim, apesar da minha lista enorme e infinita de "desejados" e "quero ler" no Skoob, não pude deixar de adicioná-lo.

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro um bom triller psicologico,
    eu nao esperava que o livro fosse tão bom quanto parece ser.
    Realmente a juventude do tudo posso de hoje esta terrivel, mas a maior parte a culpa é dos pais...eu acho, dão liberdade demais e responsabilidade nenhuma..é o que vejo rs,
    beijos.

    ResponderExcluir
  6. Adoro romances policiais, mas eu meio que piro junto com os personagens.
    Me sinto no livro, mas nunca consigo descobrir o assassino... sempre coloco a culpa num inocente hahahahahaha

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!
Feliz dia!!!

Atenção

Oi gente, o blog ganhou um layout novo e como eu migrei do wordpress para o blogger, os posts antigos estão muito bagunçados. Toda mudança gera uma bagunça e não seria diferente por aqui.
Irei arrumando os posts sempre que eu tiver um tempinho, conto com sua compreensão.

Mais Recentes

Cadastre seu email

Você quer receber as postagens do CODINOME por e-mail? Então, inscreva-se aqui.

Em seguida, é preciso ativar a assinatura na mensagem de confirmação que vocês receberão em nome do Google FeedBurner.

Link Me!

CODINOME LEITORA

Codinome: Leitora - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados